quinta-feira, 22 de maio de 2014

A BELEZA DAS TULIPAS

Agora que a chuva cai
sobre a tarde quase morta
e alguns poemas de Kavafis
se tornam dilacerantes,
reparo na beleza das tulipas
inclinando-se.
Poderia fazer um desenho
mas se por vezes apetece
desistir.
Os versos do luto,
a minha adolescência
tão cheia de raparigas.

Poema de Isabel de Sá
Erosão de Sentimentos, Editorial Caminho, Lisboa, 1997.


Nenhum comentário:

Oya (Oiá) é a divindade dos ventos, das tempestades e do rio Níger que, em iorubá, chama-se Odò Oya. Foi a primeira mulher de Xangô e...