quarta-feira, 29 de junho de 2011


De onde vem a força que me faz seguir quando já não há estradas à tomar?
Que luz é essa que ilumina as entranhas ocas de mim mesmo?
Que mecanismos me sustêm quando vacilo sobre abismos?

MP
28/09/2010


Isso não é um jogo de esconde- esconde.
Eu esperaria por você todos os dias se soubesse que viria.
Acaso houvesse alguma certeza.
Nada é certo além dos vazios que me envolvem.
Sem lágrimas, sem sorrisos, sem soluços ou amarguras.
Não há sentimento que não seja a falta.
A falta que não é saudade.


Tudo que quero e não posso ter está na sua permanente ausência doendo em minha carne arrancada dos meus ossos...

MP
06/04/2011

Tudo é tão MUITO e tão SEMPRE.
Algumas vezes fico exausto de existir há TANTO.


MP
21/06/2011
Saturno de mim.


À força de ser meu próprio pai não pude realizar nenhuma rebelião que não fosse de meu conhecimento.
Todos os meus atos ilícitos foram aprovados por esse pai, o que significa que poucos foram eles uma vez que sou um pai essencialmente limitador.

MP
16/04/2011

terça-feira, 21 de junho de 2011


Apesar das inúmeras provas ou falta de provas
Apesar de todas as evidências em contrário
Apesar de nem eu mesmo saber como
Apesar de todas e muitas decepções
Depois de todos os desamparos
A despeito do que podem dizer


Há momentos em que me canso de ser eu
Sinto que terei que viver mais mil vidas antes de aprender a ser mais simples, mais comum, mais leve, mais ingênuo, mais puro, mais ignorante, mais tolo
As coisas do Universo são por demais singelas e o olhar oblíquo e inquieto não combina, não comunga com essa simplicidade cósmica
Sou muito complexo para pertencer a algo tão poderoso
Mais mil vidas
Um dia serei novamente uma criança em meu coração por ora tão empedernido
Serei outra coisa
Serei uma bolha iridescente de sabão numa tarde de domingo no parque
Serei talvez uma borboleta azul sob o Sol
Ou um canto, apenas um canto de sabiá
Um dia, quem sabe, eu seja parte do Amor por todas as coisas que intuo existirem em mim num canto ainda obscuro do meu ser
Um dia não serei uma sinfonia dissonante, mas um intervalo de silêncio entre duas notas harmônicas.
Um dia haverá bastante silêncio em mim como o que acredito que houve no ínfimo instante antes da criação das estrelas e de todas as coisas
Como sinto que deve haver nas fimbrias do Universo

MP
15/04/2010


quinta-feira, 16 de junho de 2011

Oração Ao Tempo
para Ed Paiva


És um senhor tão bonito
Quanto a cara do meu filho
Tempo tempo tempo tempo
Vou te fazer um pedido
Tempo tempo tempo tempo...

Compositor de destinos
Tambor de todos os rítmos
Tempo tempo tempo tempo
Entro num acordo contigo
Tempo tempo tempo tempo...

Por seres tão inventivo
E pareceres contínuo
Tempo tempo tempo tempo
És um dos deuses mais lindos
Tempo tempo tempo tempo...

Que sejas ainda mais vivo
No som do meu estribilho
Tempo tempo tempo tempo
Ouve bem o que te digo
Tempo tempo tempo tempo...

Peço-te o prazer legítimo
E o movimento preciso
Tempo tempo tempo tempo
Quando o tempo for propício
Tempo tempo tempo tempo...

De modo que o meu espírito
Ganhe um brilho definido
Tempo tempo tempo tempo
E eu espalhe benefícios
Tempo tempo tempo tempo...

O que usaremos prá isso
Fica guardado em sigilo
Tempo tempo tempo tempo
Apenas contigo e comigo
Tempo tempo tempo tempo...

E quando eu tiver saído
Para fora do teu círculo
Tempo tempo tempo tempo
Não serei nem terás sido
Tempo tempo tempo tempo...

Ainda assim acredito
Ser possível reunirmo-nos
Tempo tempo tempo tempo
Num outro nível de vínculo
Tempo tempo tempo tempo...

Portanto peço-te aquilo
E te ofereço elogios
Tempo tempo tempo tempo
Nas rimas do meu estilo
Tempo tempo tempo tempo...


segunda-feira, 13 de junho de 2011


Em nossos corações fomos marcados
à ferro e fogo; em carne viva!
Com tinta invisível estamos tatuados.
É bem sutil e tão profundo!

Pelas Nornes, deusas divinas, nossos destinos costurados.
Duas linhas agora juntas derivam à uma nova vida;
Que felizes e afortunados...
Oh! As nossas Almas gritam à todo o Mundo!
César Brandão

terça-feira, 7 de junho de 2011



Passei por aqui bem de leve.
Sem deixar rastros profundos,
Sem mover o pó dos móveis,
Sem abrir as janelas,
Sem lavar a louça.

Passei por aqui bem de leve.
Por um perfume pairando no quarto,
Por um poema esquecido sobre a mesa,
Por um silêncio de risos,
Por uma saudade.

Oya (Oiá) é a divindade dos ventos, das tempestades e do rio Níger que, em iorubá, chama-se Odò Oya. Foi a primeira mulher de Xangô e...