domingo, 29 de maio de 2011

Ganymedes e Zeus

Bertel Thorvaldsen - Ganymede with Jupiter's Eagle, 1817

Sinto-me nu diante de ti,
Nu de minhas vergonhas,
Nu de minhas tristezas,
Vazio, esperando me cobrires com tuas asas.
Cobre-me, ama-me meu Deus!
Zeus ama-me!

Cessarei tua sede,
Servir-te-ei de meu néctar,
Servir-te-ei de meu ser,
Entregue, esperando me cobrires com tuas asas.
Cobre-me, torna-me como tu... Imortal!
Eu te amo!
César Brandão

sábado, 28 de maio de 2011

Zeus e Ganymedes


Acordo com o corpo leve,
A Alma apaziguada,
O Espírito sereno.

O Universo curva-se, expande-se.
Milhares de galáxias nascem
De mim em mim.

Em mim, desperto está o meu melhor.
Sou um Deus amando um Deus.

sexta-feira, 20 de maio de 2011

Eros e Psique


Não se preocupe...
Quando isso acontecer será com a maior delicadeza possível.
Terei meus olhos nos seus olhos,
Minhas mãos trêmulas,
Minha respiração suspensa...
Também estarei entregando minha Alma em suas mãos...


segunda-feira, 9 de maio de 2011

Tenho Saudade do meu Avô...

 
João Honorato da Silva -Vovô

Adios Nonino 


 Desde una estrella al titilar...
Me hará señales de acudir,
Por una luz de eternidad
Cuando me llame, voy a ir.
A preguntarle, por ese niño
Que con su muerte lo perdí,
Que con "nonino" se me fué ...
Cuando me diga, ven aquí ...
Renaceré ... porque...

Soy...! la raíz, del país que amasó con su arcilla,
Soy...! sangre y piel, del "tano" aquel, que me dió su semilla...
Adiós "nonino" ... que largo sin vos, será el camino.
Dolor, tristeza, la mesa y el pan...!
Y mi adiós... ay...! mi adiós, a tu amor, tu tabaco, tu vino.
Quién...? sin piedad, me robó la mitad, al llevarte "nonino"...
Tal vez un día, yo también mirando atrás...

Como vos, diga adiós... no vá más...!

(recitado)

Y hoy mi viejo "nonino" es una planta.
Es la luz, es el viento y es el río...
Este torrente mío lo suplanta,
Prolongando en mi ser, su desafío.
Me sucedo en su sangre, lo adivino.
Y presiento en mi voz, su proprio eco.
Esta voz que una vez, me sonó a hueco
Cuando le dije adiós... adiós "nonino".

Soy...! la raíz, del país que amasó con su arcilla,
Soy...! sangre y piel, del "tano" aquel, que me dió su semilla...
Adiós "nonino" ...! dejaste tu sol, em mi destino.
Tu ardor sin miedo, tu credo de amor.
Y ese afán... ay...! tu afán, por sembrar de esperanza el camino.
Soy tu panal y esta gota de sal, que hoy te llora "nonino".
Tal vez el día que se corte mi piolín,
Te veré y sabré ... que no hay fín.





domingo, 8 de maio de 2011

Pensamento do dia:

Hipócritas – Gustave Doré (1832-1883)


Se, e note bem, eu disse Se, 
a estrada para o Inferno está cheia de Espíritos com boas intenções,
Deus segue na frente.
Prudência

Lúcifer - Gustave Doré (1832-1883)

Não mexo com o rabo do Diabo
Porque sei que têm dois chifres na outra ponta!
Auto Retrato 

Auto Retrato (29-05-1980)

Eu tenho certas restrições quanto a minha pessoa...
Não coloco minha mão esquerda no fogo, por mim...
Não chega a ser desconfiança, são certezas, sei coisas horríveis sobre mim e sei bem do que sou capaz...
A Vida adestra, mas não endireita.
Um Único Pedido.



Gênio:
-        Você tem direito a três pedidos.
Eu:
-         A mim basta um só.
Gênio:
-         Hum..., singular! E qual seria esse único pedido?
Eu:
-         Remova a Dor.
Gênio:
-         Qual Dor?
Eu:
-         Remova da Humanidade a Dor essencial de sermos apenas humanos.

Oya (Oiá) é a divindade dos ventos, das tempestades e do rio Níger que, em iorubá, chama-se Odò Oya. Foi a primeira mulher de Xangô e...